Review - Star Wars: Battlefront


Dez anos mais tarde após o sucesso dos Battlefront's anteriores, a EA e a DICE se propuseram a recriar os maiores batalhas na galáxia de Star Wars, trazendo-o para uma nova geração. E eis nosso questionamento: Seria ele, bom o suficiente para satisfazer os fãs que esperaram por tanto tempo? 

Vamos analisar ponto a ponto.


Cada modo do jogo é desbloqueado assim que você começa, mas se você preferir um pouco mais de prática e ambientação, existem cinco missões de treinamento que lhes apresentam os conceitos básicos da guerra interplanetária. Você irá aprender como operar seus equipamentos, controlar um herói e até derrubar um AT-AT. Você ganha estrelas com base no seu desempenho, então certamente acabará jogando tais níveis, mais de uma vez se você quiser dominar suas habilidades antes de entrar na briga.


Ao contrário dos dois primeiros Battlefronts, aqui não há campanha, mas missões que poderão ser jogadas em modo solo ou em coop, se desejar. O modo Sobrevivência é uma horda de inimigos para um ou dois jogadores em quatro mapas onde você tem que eliminar ondas cada vez mais fortes de forças imperiais. Há mais contexto neste modo que em qualquer outro no jogo, embora a experiência adquirida nesse modo, não seja transportada para os outros modos.

Já nas Missões de Combate, o colocam contra um segundo jogador ou AI. Nela você poderá atuar como infantaria imperial ou Rebelde, ou ainda como um dos heróis do universo Star Wars. Considerando cada herói joga de forma diferente, as missões de batalha são a maneira perfeita de se sentir confortável com suas habilidades, afim de praticá-las. A primeira equipe a chegar aos 100 pontos ganha uma missão batalha, mas você terá que recolher fichas para ganhar pontos, muito semelhante ao modo Kill Confirmed de Call of Duty. Isto encoraja os jogadores a ficarem próximos de seus colegas e pegar suas fichas caídas.


Existem somente seis heróis no novo Battlefront, que é sem dúvida uma redução significativa diante dos 23 mais populares personagens de Star Wars, que foram jogáveis em Battlefront II. Cada herói tem três ações únicas, embora alguns como Léia compartilham a mesma habilidade do Imperador, por exemplo, de fornecer power-ups para suas equipes.

No multiplayer, é dividido em nove tipos de jogos. O modo Batalha é o tradicional deathmatch. O Captura de Carga, nada mais é do que um “capturar a bandeira” e você tem que roubar cinco contêineres, passando de um lado para o outro para ganhar. Captura de Capsulas, destina-se a equipes, capturando cinco capsulas que caem do céu, e Captura de Dróides envolve a captura de droides "Gonk", ou seja mantendo todos os três droides dominados por vinte segundos.


Caso deseja jogar com um herói, e quem não ainda teve oportunidade, existem dois modos que aumentam sua chance de controlá-los em batalha. O modo Heróis contra Vilões faz com que controle um herói pelo menos uma vez. Enquanto no modo Caça ao Herói é seis contra seis. De cada lado, três jogadores jogam com infantaria regular e três jogadores são heróis. A primeira equipe a ganhar cinco rodadas, vence a partida.

No modo Esquadrão de combate, concentra-se totalmente no vôo e tem seu próprio conjunto de "heróis": o Millennium Falcon e Slave1. E estes só são adquiridos ao pegar ícones especiais que habilitam no campo de batalha e, com outros nove jogadores buscando para eles, pode gerar um caos total. Porém, Você ganha pontos por eliminação de naves inimigas (bots), um pouco mais para os pilotos humanos reais, e ainda mais para a destruição de shuttles de transporte que tentam sair da zona de guerra.


Os maiores modos de jogos, com até 20 jogadores de cada lado, são Ataque dos Walkers e Supremacia. Em Ataque dos Walkers gira em torno do enorme tanque de quatro patas, que os jogadores podem controlar. Em Supremacia é meu modo favorito, porque é a perfeita representação mais genuína de batalhas de uma galáxia muito, muito distante. Sem truques, apenas guerra. Quem tomar todos os cinco pontos no mapa ou controlar mais pontos quando o tempo se esgotar, ganha. Supremacia para mim é isso! 

Os mapas variam dependendo do número de jogadores em cada modo, e você irá passar muito o tempo, nos quatro principais planetas: Tatooine, Endor, Hoth e o Sullust. Felizmente, mapas menores foram projetados especificamente, não apenas meras limitações de áreas maiores. As cavernas de gelo de Hoth e o refúgio Jawa em Tatooine são ótimos exemplos de mapas menores que têm características únicas não encontradas em campos de batalha maiores.


Tudo é extremamente fiel ao universo da franquia SW. Há apenas onze armas, e elas não podem ser personalizadas. Você poderá equipar uma set de até quatro star cards, de um grupo de 24, os quais permitem equipar armas, habilidades ou concedem algum bônus extra. No jogo, não leva muito tempo para obter todos os blasters e cards, e tudo mais que resta são as opções sem efeito prático no jogo. Apenas estético.


Nem todos os modos deste novo Battlefront nos agradou, e ainda lamentamos a ausência de mais armas, heróis e principalmente, planetas. Entretanto, o que o torna tão excepcional e incrível é  como ele se apresenta e o seu sistema de áudio. TUDO é absolutamente lindo e os seus efeitos sonoros são fieis e caóticos, mas apaixonadamente autênticos. A trilha sonora mescla composições originais de John Williams e novos arranjos escritos exclusivamente para o jogo, perfeitamente mixados aos da trilogia original. E é justamente a atenção aos detalhes minuciosos da história de Star Wars, que o torna tão diferente dos demais FPS deste ano. Veja por exemplo, o Jawa fugindo para se esconder em um Sandcrawler, no plano de fundo ou a cada explosão cinematográfica das TIE Fighters. Simplesmente incríveis.


Não há como compararmos com outros títulos similares, por outro lado, nenhum outro jogo de Star Wars deu tamanha importância ou fidelização ao seu universo como agora. Apesar da falta de campos de batalha, planetas, personagens ou de uma estrutura de campanha, a forma como a ”história” é apresentada em Star Wars Battlefront é épica. Titulo mais do que obrigatório, não apenas à todos os fâs de SW, mas para quem curte um bom FPS de qualidade bem acima da média.



Todos os direitos reservados. Gamesphera - 2016. Tecnologia do Blogger.